quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Arquitetura Corporativa: um relato descritivo


Figura. “A criação de Adão” por Michelangelo (1508-1512)


“No princípio criou Deus os céus e a terra.” (Gênesis, I, 1)

Esse, como a maioria das pessoas tem conhecimento, é o início do primeiro livro da Bíblia, o Gênesis, que relata a criação do mundo por Deus. Será que isso é verdade? Será que aconteceu dessa forma mesmo?

Essas são perguntas que nunca serão respondidas porque este não é um relato histórico da criação do mundo. Para termos um relato histórico, precisamos de outras provas além de um texto. Como, segundo a ciência, o universo existe há aproximadamente 13.000.000.000 de anos, as demais provas, simplesmente, não existem mais.

Então, o que temos são relatos descritivos da criação do mundo: temos o relato – seja ele em formato de texto ou de equações – e temos o mundo como é hoje. Então, comparamos o relato com o mundo e avaliamos se a representação é válida ou não.

Por exemplo, imaginemos o Otelo de Shakespeare. Otelo tem um temperamento humano? Sim! O sentimento dele em relação à Desdêmona é humano? Sim! É possível que um ser humano reaja como ele às provocações de Iago? Sim! Então podemos concluir que a história é verídica? Não! Não podemos concluir isso porque para que fosse um relato histórico, precisaríamos de provas além do texto descritivo. Apenas podemos afirmar que o relato descritivo é coerente.



Figura"Othello e Desdêmona em Veneza" por Théodore Chassériau (1819–1856)


Agora, imagine um software. Ou, mais especificamente, um sistema de informação de uma determinada empresa. Ele nada mais é do que um relato descritivo da empresa.  Precisamos olhar para o trabalho que é realizado na empresa e avaliar se ele condiz ou não com o que está implementado no sistema. Temos aqui o famoso jargão: a TI deve estar alinhada ao negócio.

O mesmo acontece com um modelo cujo objetivo é descrever a empresa. Esse modelo jamais será um relato histórico da empresa! E, para que ele seja um relato descritivo, é imprescindível que ao comparar modelo e empresa não haja divergências. Como, ao lermos o Gênesis, não encontramos divergências entre a descrição escrita e o mundo conforme o observamos hoje. Assim, deve ser a Arquitetura Corporativa de uma empresa!

Outro ponto interessante é que seguindo o relato descritivo do Gênesis, o mundo não foi criado todo de uma única vez. Sua criação ocorreu em 6 dias. Ao longo dos séculos diversas interpretações foram realizadas sobre a correspondência desses seis dias no tempo atual, mas o ponto que queremos destacar é que todos os passos da criação tiveram valor: “e viu Deus que isso era bom”. (Gênesis, I, 10 – 12 – 18 – 21 – 25)

A construção da Arquitetura Corporativa de uma empresa também deve ser feita por partes. E o importante é que todas as partes agreguem valor. Além disso, muitas vezes, é preciso que uma fase tenha tempo para amadurecer, antes que uma nova fase seja iniciada.

“E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom.” (Gênesis, I, 31)

No sétimo dia, Deus descansou e contemplou sua criação. A história ainda não estava findada, na verdade, estava começando, mas o mundo criado estava vivo.

A Arquitetura Corporativa também deve ser assim! Ao término dos “7 dias” a empresa deve ser capaz de caminhar sozinha e o relato descritivo realizado, ou seja, os modelos ou sistemas desenvolvidos, devem servir de apoio nessa caminhada.

Nenhum comentário :

Postar um comentário